segunda-feira, 21 de outubro de 2013

HOMICÍDIOS NO CEARÁ CRESCEM 15% EM RELAÇÃO A 2012.




O número de mortes violentas em 2013 já superou a do ano passado, segundo dados da Secretaria Estadual de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS-CE). Nos primeiros oito meses deste ano segundo ocorreram 2.646 assassinatos em todo o Estado. Um aumento de mais de 15% em relação a 2012, quando foram registrados 2.255 homicídios. Em um único fim de semana de outubro foram registrados 35 homicídios somente na Região Metropolitana de Fortaleza.

Outro dado que chama atenção é que somente a Capital responde por 47% desses homicídios. E ainda de acordo com a SSPDS-CE, os bairros mais violentos são Barra do Ceará, Bom Jardim, Genibaú, Granja Lisboa, Granja Portugal, Jangurussu, Messejana, Mondubim, Vicente Pinzón e Vila Velha. “Nós sempre andamos com medo aqui na capital não importa o lugar”, afirma a estudante Letícia Pereira Costa.

Lara Palmeira Pinheiro é sobrevivente dessa violência. Por duas vezes ela foi assaltada. E por esse motivo criou uma página na internet “Ceará Apavorado”. A página na internet reúne 60 mil pessoas com relatos de criminalidade. O “Ceará Apavorado” virou uma ONG para reunir pessoas que sofreram algum tipo de crime e também ações do Governo do Estado que contenham a violência.
“Acho que a gente nunca viveu o que a gente está vivendo agora”, afirma Lara Palmeira Pinheiro, administradora da página no Facebook. Já o empresário Régis Ponte que também participa da ONG diz que o cearense perdeu a liberdade. “Ninguém aguenta mais morar em uma cidade onde acontece tanta violência. É assalto a mão armada, tiros, nos sinais, ao entrar em casa, ao passar por um trilho, as pessoas não estão mais com o direito de ir e vir”, desabafa.
O secretário da Segurança do Ceará, Servilho Paiva, afirma que vai reforçar a segurança nas ruas. “Estão saindo mil policiais no mês que vem. A gente vai estar colocando mais policiais nas ruas, e a academia está lotada com mais policiais civis”, diz o secretário.
No entanto o coordenador do Laboratório da Violência da Universidade Federal do Ceará (UFC), César Barreira, acredita que o governo deve ir além e tentar combater as principais causas da violência.
“Se nós tivermos a possibilidade de relacionar a questão da droga com a questão da arma de fogo, trabalhar com esses dois elementos que é a questão da droga e arma de fogo, provavelmente nós poderíamos esclarecer um número muito grande de homicídios”, explicou.

Fonte: G1CE

Nenhum comentário: