segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

8 vítimas fatais: motorista atropela grupo que vinha da igreja

 
Sete pessoas morreram e três ficaram feridas em um atropelamento no quilômetro 12 da CE-192, em Guaraciaba do Norte (Serra da Ibiapaba) na noite deste domingo, 27. Segundo informações repassadas ao O POVO Online pela Polícia Rodoviária Estadual (PRE), as vítimas saiam de uma igreja e foram colhidas por um veículo, que trafegava em alta velocidade e perdeu o controle.
 
O condutor o carro, um veículo modelo Monza, fugiu logo após o atropelamento. Cinco vítimas fatais foram identificadas pela PRE. São elas: Maria Leitão Veras, 63; Francisca Ivoneide Martins de França, 47; Ecleciane Lima de Sousa, 15; Raimunda Campos Paiva do Carmo, 62; Cícero Ribeiro do Carmo, 70.
 
Os feridos ainda não foram indentificados pela PRE. Eles foram socorridos para o Hospital de Sobral. 

Fonte: O Povo On line

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Flores cruzam rota dificultosa para deixar o País


Por trás da beleza das flores cearenses que chegam à Holanda e aos Estados Unidos, existe um espinhoso caminho que entrava a produção e traz prejuízos aos que lidam com a fragilidade dessas peças. São as estradas localizadas no entorno das regiões de cultivo. Muitas de piçarra, são ainda mais castigadas com a chegada do período chuvoso no Estado.

As fazendas localizadas no município de São Benedito, na Serra da Ibiapaba - a 360 quilômetros de Fortaleza, convivem diariamente com a falta de estrutura para o escoamento da produção até a Capital, para ser exportada. Da rodovia mais próxima até a entrada das regiões produtoras, a trilha encontra-se em péssimas condições. Problema antigo, já compartilhado com o Governo Estadual, que promete melhorias. "Você tem um problema porque esses trechos não são asfaltados. São ´carroçais´, e o produtor tem dificuldades no transporte, pois nessa época ou estão esburacadas ou enlameadas, e isso é muito ruim, porque atola caminhão e atrasa o processo", explica Paulo Selbach, proprietário da Cearosa, uma das produtoras da região serrana.

Solução próxima
Apesar do problema, Selbach já enxerga solução próxima. Segundo ele, findado o período de precipitação, o Governo, através da Secretaria da Infraestrutura (Seinfra), começará a atuar na área, realizando a pavimentação das vias. Conforme a secretaria, em nota, "existe a previsão de incluir no Mapp 2011 (Monitoramento de Ações e Projetos Prioritários), um repasse de R$ 1,2 milhão a São Benedito, que entra com contrapartida de R$ 141 mil, por ser estrada vicinal".

Da CE-187 até a fazenda Cearosa, são pouco mais de 1,5 quilômetro. O trajeto parece curto, mas para quem tem pressa em transportar um produto de tamanha perecibilidade, toda ajuda é bem-vinda. Outra zona de cultivo no entorno, a Reijers também receberá essas intervenções, graças ao esforço conjunto dos produtores e da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Floricultura, ligada à Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece). "A estrutura sempre precisa estar melhorando, continuadamente. Hoje existe esse problema de estrutura grave na Serra de São Benedito, mas a Câmara teve conversas com o governo, que ficou de recuperar", garante o presidente da entidade Gilson Gondim.

Frete caro
Mais próximo da Capital, a cerca de 100 quilômetros, o Maciço de Baturité, com seus pequenos produtores de flores, possui estradas bem mais convidativas ao direcionamento da colheita, mas esbarra nos altos valores de quem precisa viajar nos ônibus intermunicipais, meio prioritário de dar vazão à produção. Há poucos anos, os agricultores pagavam R$ 4 para que a carga fosse levada a Fortaleza.

Com a venda da antiga companhia, o frete foi elevado, inviabilizando o transporte de flores e vasos. "O produtor, hoje, para mandar a um preço razoável, precisa enviar um funcionário como passageiro, o qual leva o produto como mala. Antes despachava como carga, R$ 4 numa caixa. Agora é R$ 20. Tem que mandar o trabalhador ir e voltar. Além do custo elevado, tem o operário, que faz falta na produção", lamenta Gondim.

E as dificuldades não acabam nem quando, enfim, os produtos chegam a Fortaleza. A Capital cearense carece de aeronaves de carga que levem as flores para a Europa, dentre outros destinos. Ao chegarem ao Aeroporto Internacional Pinto Martins, as peças ficam à espera de vagas em voos comerciais, espaços que rareiam à medida em que chega a alta estação.

Falta cargueiro
Uma das soluções discutidas pelo setor é uma articulação com produtores de frutas e camarão para viabilizar um cargueiro que faça a rota Fortaleza - Amsterdã, de forma que os embarques sejam compartilhados. "Encher um cargueiro com capacidade para 40 toneladas só de planta é inviável. Mas existem demandas para melão, mamão e camarão. Queremos fazer uma carga mista para mandar à Europa", explica Gondim.

Enquanto o intento não sai do papel, as flores, com vida útil de 15 dias a partir da colheita, ficam estocadas nas câmaras frias do aeroporto, gerando mais despesas e corroborando com os índices de 30% de perdas na produção.(DB)

CONDIÇÕES DE ACESSO
Imediações da Capital são gargalo para escoar frutas
Obras que poderiam ajudar no escoamento da produção seguem paradas. Rodovias federais estão críticas
Dos perímetros irrigados até a chegada na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), os produtores de frutas do Estado não têm muitas reclamações com relação às condições do acesso por meio rodoviário. Boa parte foi recuperada recentemente, e eles só alertam para que sejam realizadas ações constantes de manutenção das vias, para que não haja problemas nas próximas safras. Mas quando se chega nas imediações da Capital, os gargalos ficam evidentes. Obras, que poderiam ajudar fortemente no escoamento da produção, seguem paradas; rodovias federais encontram-se em estado crítico e projetos há muito demandados continuam sem execução.

Anel viário
Uma das principais queixas é com relação aos trabalhos de duplicação do Quarto Anel Viário, que facilitaria o trajeto de quem vem do Interior e quer se dirigir ao Complexo Industrial e Portuário do Pecém. O projeto ainda está em fase de estudos pelo governo. As intervenções na BR-116 e o percurso que liga o Caça e Pesca à Sabiaguaba, o qual auxiliaria os que precisam ir ao Porto do Mucuripe, seguem, respectivamente, paralisadas e em licitação. Enquanto isso, sobram prejuízos.

"De uma fazenda de Mossoró, de Limoeiro, ou de Quixeré (em média, a 200 quilômetros da Capital), o caminhão leva o mesmo tempo até Fortaleza, de quando sai da BR-116 em direção ao Porto do Pecém. De tão ruim que são as condições de trafegabilidade, estamos nos preocupando com os acidentes. Temos pontos muito ruins, que é a chegada na rotatória da Ceasa, onde tem um congestionamento muito longo, e as péssimas condições da rotatória de Maranguape, onde alguns caminhões já sofreram acidentes, chegando a tombar. A solução, sem dúvida, é a duplicação do Quarto Anel Viário", reclama o presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Fruticultura, Edson Luiz Brok.

A expectativa é que com a conclusão dessas obras, especialmente a da Sabiaguaba, os caminhões com carga não precisem mais trafegar pelas avenidas de grande movimentação de veículos da Capital, como a Raul Barbosa, e a Via Expressa, gerando congestionamentos.

Aeroporto é uma queixa
Assim como a cadeia das flores, as frutas também carecem de um avião cargueiro para mandar a produção para o exterior ou para outros destinos nacionais. Mas a maior queixa dos produtores fica por conta do Terminal de Cargas Doméstico, que não possui condições de dar conta das demandas dos aeroportos do Galeão, no Rio de Janeiro; de Guarulhos e de Cumbica, em São Paulo; e dos localizados no Sul do País; dentre outros. "Faltam melhores condições de armazenagem e até de acesso, a partir da Avenida Senador Carlos Jereissati. É tudo muito apertado", explica Brok.

Portos em melhor situação
A opinião de quem trabalha com frutas é que a situação no Porto do Pecém está melhor. As condições de acessibilidade na região são boas, e a infraestrutura do pátio está mais compatível com a demanda, ainda mais com as novas tomadas que foram instaladas, facilitando aos que precisam acomodar os contêineres frigoríficos de maneira adequada. As condições devem ficar ainda mais favoráveis com a conclusão do Terminal de Múltiplo Uso. Apesar da boa fase, a sugestão de quem precisa estar constantemente no terminal portuário é que seja implantado sistema de pré-agendamento, para que se possa ter um controle das cargas. O Porto do Mucuripe também não recebe muitas queixas. (DB)

OTIMIZANDO CUSTOS
Tecnologia promete enviar botões em navios
A integração entre os modais rodoviário e aéreo em Fortaleza, no caso das flores, ainda não é eficiente, carecendo de maior articulação. Mesmo assim, o setor sai na frente e já estuda novas maneiras de enviar a produção para o exterior com aproveitamento maior e custos mais amenos. A ideia, em desenvolvimento por pesquisadores holandeses e produtores locais, é transportar os itens em contêineres herméticos, com atmosfera controlada, a bordo de navios cargueiros.

À primeira vista, não parece viável enviar flores em embarcações que levam, em média, sete dias para chegar ao Porto de Roterdã, na Holanda. O risco de perdas, aparentemente, é grande. Entretanto, o presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Floricultura, Gilson Gondim, garante que, com o advento da tecnologia, as peças mantêm-se intactas até terem contato novamente com o ar atmosférico, quando voltam ao seu estágio natural de desgaste. "O problema é conseguir manter esse produto sem estragar. O que prejudica as flores são os fungos e bactérias, e dentro desses contêineres, elas estarão isoladas disso. Existem estudos com atmosfera de gás hélio em que as rosas ficam intactas. Claro que isso envolve outros fatores, como temperatura e umidade, por exemplo", elucida.

A técnica ainda está em testes, mas o custo é considerado "baixíssimo". Para se ter uma ideia, caso a carga seja mandada pelo ar, o produtor gasta em média US$ 2,20 por quilo do produto. Com os depósitos isolados, o valor cai para US$ 0,30 o quilo.(DB)

SOMENTE PARA INSUMOS
Ferrovia não é o centro das atenções
A ferrovia que cruzará o Ceará de cima a baixo promete grandes mudanças na infraestrutura logística local, mas ainda não está no centro das atenções dos produtores de frutas do Estado no que tange ao transporte da mercadoria para os principais polos de escoamento. A ideia é que, em um momento inicial, a estrada de ferro dê suporte à cadeia com a distribuição de insumos e outros produtos importantes entre os estados do Nordeste.

Para o presidente da Cadeia Setorial de Fruticultura do Estado, Edson Luiz Brok, ainda não há grandes atrativos para que o encaminhamento da colheita seja feito por via férrea.

Dimensionamento
Conforme explica, isso dependerá de outros fatores, os quais sem a finalização do projeto, não podem ser dimensionados. "Um veículo termina de ser carregado e segue direto para o Porto, enquanto se você pensar na ferrovia, precisaremos de um terminal para contêineres com geradores de energia. Não chegamos nessa excelência ainda, mas nunca se sabe", avalia.

A preferência pelo sistema rodoviário, ainda que possua seus problemas, se dá pela maior rapidez com que as frutas chegam a seus destinos, quando comparada à velocidade de outros países da América Latina.

Das zonas produtoras aos portos, com embarques semanais, a chegada ao primeiro destino, na Europa, ocorre em até sete dias. Em no máximo 12, o produto está disposto nas gôndolas dos estabelecimentos, marca considerada "excelente".

Fonte: Diario do Nordeste

85% das vias no Estado carecem de melhorias

  Br-222 entre Itapajé e Irauçuba
Fonte: Diario do Nordeste

Pelo menos 85% das rodovias cearenses, independentemente de serem geridas pelo Governo Federal ou Estadual, estão em condições que variam de regular à péssima. Esse alarmante dado consta na Pesquisa CNT de Rodovias 2010, elaborado pela Confederação Nacional do Transporte. A minoria das vias estaduais, de fato, possuem uma estrutura de trafegabilidade adequada, com pavimentação, sinalização e geometria suficientes. A situação torna-se ainda mais grave porque cerca de 60% das cargas no País são transportadas por estradas.

Mesmo que, a partir das sugestões constantes no PNLT, haja uma tendência de redução na participação do modal rodoviário, é indispensável que os investimentos na construção e recuperação de estradas e de outras obras de engenharia, como pontes e viadutos, sejam prioritários. Das dez melhores ligações rodoviárias do País, nenhuma está inserida no Ceará. As mais bem estruturadas são geridas por concessionárias, o que não ocorre por aqui.

Os principais projetos que devem trazer reforço às vias cearenses estão listados no último PNLT, que pode sofrer alterações à medida em que novas necessidades surjam. O mais oneroso, previsto pelo Plano, seria de adequação da capacidade da BR-222, em 190 quilômetros que ligam o município de Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), ao de Sobral, na Região Norte. A obra, orçada em R$ 370 milhões, está inserida no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), mas só deve ficar pronta depois de 2015. O trecho vai beneficiar, dentre outros, o escoamento da produção calçadista do município sobralense.

Ainda estão previstas intervenções na BR-116 em vários trechos até as divisas com Pernambuco e Rio Grande do Norte, e também na BR-226. De menor monta, mas imprescindível para os produtores cearenses é a duplicação do Anel Rodoviário de Fortaleza, cujo investimento deve ser da ordem de R$ 189 milhões. A ideia inicial era de que o projeto, que liga os municípios de Eusébio, Fortaleza, Itaitinga, Maracanaú e Caucaia, estivesse pronto ainda este ano, o que não deve ocorrer. A obra, de responsabilidade do Governo do Estado e do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) ainda está sendo projetada.

Intervenções estaduais
Nas CEs, os novos projetos previstos pelo governo do Estado, segundo informações da Secretaria de Infraestrutura (Seinfra), são o alargamento da CE 187, entre Viçosa e Ipu, beneficiando o escoamento da produção na região e a demanda turística; a duplicação de 65 quilômetros da CE-040, que liga Beberibe a Aracati, suprindo a forte movimentação de visitantes às praias do litoral leste; a duplicação das CEs 060 e 085, e ainda a readequação da CE-060.

Na primeira gestão do governador Cid Gomes, foram investidos R$ 1,3 bilhão para a restauração de 1.400 quilômetros de rodovias e implantação de mais 900 quilômetros. São somas vultosas, mas que ainda não são suficientes para transformar a realidade das rodovias que cortam o Ceará.

Levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), realizado no ano passado, mostrou que o Estado precisa de pelo menos R$ 5,9 bilhões somente para a melhoria das estradas federais.

"É preciso agilizar a duplicação do Anel Viário de vinculação das várias rodovias federais cobrindo todos os quadrantes do Estado (BR´s 116, 222, 020), realizar melhorias nas BR´s 230, 304, 122, 226, 402, 403 e 404 e expandir a duplicação das rodovias estaduais (CE´s 040, 065, etc). Deve-se atentar para uma ligação rodoviária de porte entre a Plataforma Aeroviária do Pinto Martins e o Anel Viário", opina o professor Bosco Arruda. (DB)

LOBBY AUTOMOBILÍSTICO
Predomínio do transporte rodoviário é antigo
A intenção de diminuir o domínio do meio rodoviário é positiva, mas difícil, apesar de o ir e vir de carros e caminhões pela estradas cearenses ser caro e envolver uma série de despesas, como combustível, lubrificantes, pneus, sem falar da desvantagem de poder carregar menos mercadorias. A concepção de infraestrutura mais voltada para o tráfego rodoviário é antigo. Data, mais ou menos, do governo do presidente Washington Luís, em 1926, com seu antológico lema "governar é construir estradas", que tinha como pano de fundo a instalação da indústria automobilística, o que iria vir a ocorrer menos de 30 anos depois.

"Devido ao histórico descaso com os demais modais, em face da atuação do lobby automobilístico na formação dos investimentos públicos, as indústrias de equipamentos dos modais ferroviário e aquaviário foram praticamente levadas à ruína", afirma o professor Bosco Arruda, ao explicar o predomínio do transporte rodoviário.

Segundo ele, o governo Lula tentou resgatar os outros modais com investimentos ferroviários e colocando a Transpetro como alavancadora da indústria naval nacional. (DB)

Fonte: Diario do Nordeste

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Chegou a Hora!!!! Ronaldo se Aposenta!

 
Nesta segunda-feira, ao meio-dia, Ronaldo Fenômeno anuncia o fim de sua carreira. Dezoito anos depois de sua estreia pelo Cruzeiro, mais de 400 gols em sete clubes e na seleção brasileira, incluindo quinze gols em Copas, e três vezes melhor jogador do mundo (1996, 1997 e 2002), o atacante do Corinthians cedeu ao cansaço. "Não aguento mais", disse ele neste domingo à tarde ao Estado. "Eu queria continuar, mas não consigo. Penso uma jogada, mas não executo como quero. Tá na hora. Mas foi lindo pra caramba."
Ronaldo tinha a intenção de seguir no Corinthians até o fim da temporada 2011, mas resolveu repensar a decisão e antecipar o término da carreira. No entanto, ele deve seguir no clube do Parque São Jorge, em alguma função na direção da equipe alvinegra.

Eólicas: Ceará atrás dos estados do Nordeste


Apesar de ainda liderar produção desse tipo de energia, Estado assiste a vizinhos avançarem em novas plantas

As últimas notícias do setor eólico em nada fazem lembrar que o Ceará é (pelo menos ainda) o líder em produção da energia dos ventos no Brasil. Apesar de ser o Estado com o maior potencial para este tipo de investimento no País, e pioneiro na atividade no mercado nacional, o território cearense tem sido pouco privilegiado com novos empreendimentos que vão surgindo. Depois do fraco desempenho no último leilão de fontes alternativas e de energia de reserva, o Ceará vê agora os vizinhos avançarem em tecnologia e projetos industriais do setor.

Planta há muito em prospecção pelo Ceará, uma unidade fabril de aerogeradores (o motor das torres eólicas) ainda não foi garantida por aqui. Enquanto isso, a fábrica pernambucana da Impsa, empresa líder latino-americana em energias renováveis, avança e já conta com uma carteira de encomendas de 800 equipamentos até 2012, somando R$ 3 bilhões. Entre estes, está o parque eólico da Companhia Hidroelétrica de São Francisco (Chesf), que será instalado em Casa Nova, na Bahia, e será o maior do Brasil. Para produzir 120 aerogeradores, a unidade de Pernambuco, localizada no Complexo Industrial de Suape, fechou um contrato no valor de R$ 600 milhões.

Bahia a passos largos
Mesmo iniciante na área de eólicas, a Bahia, por sua vez, já anda a passos largos para aumentar sua importância no setor. Saindo na frente do Ceará, a unidade federativa irá inaugurar, em maio, sua primeira fábrica de aerogeradores. Instalada no polo industrial de Camaçari, com investimento inicial de R$ 50 milhões, a unidade é um investimento da empresa espanhola Gamesa, e veio seguindo a esteira dos 34 projetos de parque eólicos que serão implantados no Estado. Mas a primeira encomenda da fábrica virá, na verdade, para o Ceará. Até dezembro, a unidade entregará 21 equipamentos para o Parque Dunas do Paracuru.

Os novos projetos de energia dos ventos na Bahia somam R$ 4 bilhões em investimentos, e têm previsão de gerar três mil empregos. Atualmente, ainda não existe nenhum parque eólico em operação na Bahia, o primeiro, da francesa Alstom, está em fase de instalação também em Camaçari. O governo baiano está de olho na potencialidade da atividade. "Nosso desafio agora é atrair outras empresas da cadeia produtiva, contribuindo para o surgimento de um polo industrial da energia eólica na Bahia", disse o secretário James Correia, em discurso publicado pela assessoria geral de comunicação do governo.

RN avança nas aprovações
Já o vizinho Rio Grande do Norte é o Estado que mais tem avançado na aprovação de novos parques eólicos no País. No último leilão, ocorrido em agosto, os potiguares garantiram 30 projetos, somando 817,4 MW no de energias alternativas e outros nove (com 247,2 MW) no leilão de reserva.

Enquanto isso, o Ceará teve apenas cinco projetos, totalizando 150 MW, aprovados, sendo que nenhum para energia de reserva. O Rio Grande do Norte havia conseguido a liderança no número de novos projetos desde o leilão de 2009, e consolidou essa posição em 2010.

Empecilhos ao desempenho
Entre os motivos para a queda no desempenho do Ceará, de acordo com empresários do setor, estão complicações na hora de garantir as licenças ambientais. Praticamente todos os empreendimentos em operação no Estado enfrentaram questionamentos na Justiça. Mas há fontes que apontam com principal razão a falta de persistência do governo estadual na atração dos empreendimentos. O presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), Ricardo Simões, defende o potencial do Ceará para o setor, e aponta a variação dos resultados nos leilões como algo normal. Em relação aos empreendimentos, ele diz que o Ceará não está esquecido. "Tem empreendedor estudando a possibilidade de se instalar no Estado. A Vestas e a Suzlon, por exemplo, estudam seriamente uma planta no Ceará", defende.

Destaque
30 Projetos de novos parques eólicos, totalizando 817 MW de energia, foram garantidos pelo Rio Grande do Norte no último leilão de energias alternativas. O Ceará teve apenas cinco

INVESTIMENTOS
Energia do vento já gira bilhões de reais

O mercado de geração de energia eólica, só agora, começou a engrenar, mas já movimenta bilhões de reais por ano. São novos investimentos, capitaneados, em expressiva parte, por novos executivos, e multinacionais que atuam na construção de fábrica de equipamentos. Toda essa força recebe ainda mais incremento em períodos de seca, quando a água cessa mais nas hidrelétricas, mas os ventos correm com maior força.

Entretanto, tanta aposta dos empresários nesse setor não é à toa. Na dianteira dessa confiança, há a vontade do governo federal em manter a realização de leilões de eólicas regularmente. Um novo certame está previsto para ocorrer no próximo mês de maio, e a expectativa é de que pelo menos mais 2 mil MW sejam contratados. O mercado já está de olho.

Foco no mercado livre
Com a consolidação desses leilões, o segmento de produtores e equipamentos de energia eólica no País está procurando novos nichos de mercado para continuar sua expansão. Um dos objetivos primordiais, agora, é atingir o mercado livre de energia e obter uma parcela dessa classe de consumo. O segmento, atualmente, responde por cerca de 30% da demanda nacional. Em 2010, o volume total foi de 59,8 mil GWh. O primeiro passo a ser dado em busca dessa meta é a discussão da garantia física das usinas, energia que os parques têm capacidade comprovada de entregar.

SÉRGIO DE SOUSAREPÓRTER

Fonte: Diário do Nordeste

Quanto cabe de informação no mundo?


Dezenas de jornais e revistas, centenas de canais de TV, milhares de sites com milhões de páginas na web e bilhões de mensagens em redes sociais transitando por PCs, celulares e outros dispositivos. Informação demais? Longe disso, por mais incrível que pareça. Segundo artigo publicado nesta sexta-feira (11/2) no site da revista Science, o mundo não está nem perto de um eventual limite, pelo menos do ponto de vista tecnológico, para lidar com dados digitais. Os autores do estudo, Martin Hilbert e Priscila López, da Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos, calcularam a capacidade mundial para armazenamento, processamento e comunicação de informações a partir da análise de tecnologias analógicas e digitais disponíveis de 1986 a 2007. Os resultados incluem números grandiosos. Em 2007, a humanidade era capaz de lidar com 295 exabytes de dados (ou 2,95 vezes 10 elevado a 20). Para se ter uma ideia da dimensão, se cada estrela no Universo fosse um único bit de dado, haveria uma galáxia de informações para cada pessoa no mundo.

Parece muito, mas depende de onde está a comparação, pois se trata de menos de 1% da informação armazenada em todas as moléculas de DNA de um ser humano.

O estudo observou que 2002 pode ser considerado o início da era digital, pois foi o primeiro ano em que a capacidade de armazenamento digital de dados superou a capacidade analógica. Em 2007, quase 94% da informação produzida pelo homem estava em formato digital.

Em 2007, a humanidade transmitiu 1,9 zetabytes de dados por meio de tecnologias de transmissão de sistemas como televisão e GPS, o que equivale a 174 jornais por dia para cada habitante do planeta. No mesmo ano, a comunicação bidirecional, como telefones, foi responsável pela troca de 65 exabytes de dados, o equivalente a seis jornais por pessoa por dia.

Todos os computadores existentes no mundo em 2007 foram responsáveis pelo processamento de 6,4 vezes 10 elevado a 18 instruções por segundo. Para processar tal ordem de magnitude à mão seriam precisos 2,2 mil vezes o período desde o Big Bang.

Os autores estimaram que, de 1986 a 2007, a capacidade de computação mundial cresceu 58% ao ano, enquanto as telecomunicações cresceram 28% e a capacidade de armazenamento, 23%.

“São números impressionantes, mas ainda minúsculos quando comparados com a ordem de magnitude na qual a natureza lida com informações. Entretanto, enquanto o mundo natural é fascinante em sua dimensão, ele permanece relativamente constante. Por outro lado, as capacidades tecnológicas de processamento da informação no mundo crescem em valores exponenciais”, disse Hilbert.

Fonte: Criacionismo.org.br

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Lojistas de Ipu sofrem com arrombamentos

O medo tomou conta dos comerciantes da cidade de Ipu. Em 50 dias, foram 12 assaltos. Ninguém foi preso

Ipu. Farmácia, frigorífico, mercearia, eletrotécnica, não importa, os arrombadores que têm atuado na cidade não escolhem suas vítimas. Pelo menos 12 estabelecimentos comerciais, num intervalo de 50 dias, foram arrombados, a maioria pela madrugada.

A ação obriga os comerciantes a se precaverem desse tipo de visita inesperada. "Resolvemos contratar uma empresa de vigilância 24h e instalamos circuito interno para acompanhar toda movimentação", disse o comerciante Antônio Farias, gerente de uma farmácia, uma das primeiras a ser arrombada. Ele conta que o furto em seu estabelecimento foi entre os dias 18 e 19 do mês passado.

Os bandidos tiveram acesso pela porta dos fundos. Arrancaram um portão de ferro, para depois forçarem a porta e entrarem no estabelecimento. Os bandidos levaram remédios e todo dinheiro que estava no caixa. Antônio Farias adiantou que procurou a Delegacia de Polícia Civil, onde foi registrado o Boletim de Ocorrências (B.O.), mas até agora ninguém foi preso.

Os arrombamentos têm preocupado a presidenta da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Maria Ximenes, que promete reunir comerciantes, filiados ou não, para buscar solução. "Precisamos nos unir para combater esse tipo de criminalidade. Tentar resolver a situação sozinho não é o melhor caminho. Temos que buscar uma solução para todos. Prefeitura, Câmara de Vereadores e Governo do Estado têm que entrar nessa luta".

As características do crime são idênticas em quase todas as ações. O comércio é arrombado pela porta da frente. Utilizando uma barra de ferro, os criminosos entortam uma parte do portão. Tendo acesso ao estabelecimento levam o que podem, de preferência dinheiro e mercadorias de valor. No último caso registrado, o alvo foi uma loja que funciona na Rua Coronel Liberalino, em frente ao Galpão dos Feirantes. De acordo com a proprietária, o fato aconteceu por volta das 21h.

Prejuízo

No início do mês, o alvo foi uma mercearia pertencente a Francisco Diassis Mororó Passos, situada na Rua Pedro Aragão, ao lado da sede da Guarda Civil Municipal. Segundo a vítima, foi levado uma quantia em dinheiro e mercadorias. Um morador que pediu para não ser identificado disse ter visto, na noite do dia 2, um homem com uma barra de ferro rondando o quarteirão, e que sua presença acabou por afastá-lo.

A cidade conta uma Delegacia de Polícia Civil, formada por um delegado e dois inspetores. A reportagem tentou ouvir o delegado Francisco Miguel Sales de Lima. Segundo informações, ele teria trabalhado no plantão noturno e não tinha como conceder entrevista.

Na delegacia há registro de pelo menos cinco lojas arrombadas na cidade.

União
"Nós precisamos nos unir para combater esse tipo de criminalidade. Deve existir alguma solução"
Maria XimenesPresidenta da CDL

MAIS INFORMAÇÕES
Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) da cidade de Ipu
Rua Milton Carvalho, 550, Centro
Telefone: (88) 3683.2773

Fonte: Diario do Nordeste

Governo corta R$ 50 bilhões do orçamento

A contratação de concursados está suspensa, assim como a realização de novos concursos neste ano
Brasília. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, confirmou, ontem, que o governo federal reduzirá os gastos do Orçamento em R$ 50 bilhões de em 2011. Segundo ele, os projetos sociais serão preservados e o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) continuará no patamar atual. Mantega fez o anúncio ao lado da ministra do Planejamento, Miriam Belchior.

O governo também anunciou o corte de 50% em diárias e passagens. As autorizações terão que ser feitas até mesmo por ministros. Em 2011, está proibido compra, aluguel de imóveis e aquisição de veículos para uso administrativo do Executivo.

A ministra acrescentou que o governo fará uma auditoria externa na folha de pagamento pela Fundação Getúlio Vargas, que já possui um contrato com o Ministério da Fazenda. Também será criado um sistema de alerta para auditoria e fiscalizações especiais em órgãos do Executivo. O governo vai criar ainda um sistema para detectar duplicidades de aposentadorias. Boa parte do valor dos R$ 50 bilhões virá do corte de emendas parlamentares e de bancada. Dos R$ 21 bilhões de emendas, R$ 18 bilhões serão contingenciados, sendo R$ 7 bilhões das individuais.

Concursos suspensos
Também está suspensa, por enquanto, a contratação de concursados. "Serão analisados caso a caso. Novas contratações serão olhadas com lupa", explicou Miriam.

O governo também não deve permitir novos concursos públicos este ano. "Se não vou nomear quem já está aprovado, não vai haver concursos novos", ponderou a ministra.

De acordo com Miriam, a partir de agora o governo terá um mantra: "cortar gastos para fazer mais com menos".

Eficiência
Antes de anunciar o número, Mantega disse que o governo vai promover "uma forte redução de gastos de custeio", além de buscar "um aumento de eficiência do gasto, com menos recursos para realizar as mesmas ou mais atividades". "A própria escassez de recursos fará com que os ministérios usem melhor o dinheiro", acredita.

Ele afirmou ainda que a redução dos gastos permitirá que o governo atinja a meta de superávit primário de 2011, abrindo caminho para que o Banco Central possa iniciar uma redução nas taxas de juros.

O ministro ainda fez questão de ressaltar que "não é um ajuste fiscal como no passado, que derruba a economia. Estamos falando de uma consolidação para garantir que o crescimento seja sustentável".

"É apenas para atenuar o ritmo, sem derrubar a economia", complementou, ao reiterar que o governo trabalha com uma meta de expansão de 5% para o PIB deste ano.

A reunião para definir o corte durou até quase meia-noite da última terça-feira no Palácio do Planalto. Pela tarde se reuniram os ministros Mantega, Miriam, Antonio Palocci (Casa Civil) e Luiz Sérgio (Relações Institucionais). A presidente Dilma Rousseff também participou da reunião para bater o martelo.

INSATISFAÇÃOMedida divide a bancada cearense
Os cortes promovidos no Orçamento Geral da União dividiu a bancada cearense no Congresso. Os parlamentares da base aliada do governo pedem calma neste momento para a análise do contingenciamento, e afirmam que é apenas uma suspensão, e não um corte definitivo no repasse de verbas para os Estados e municípios.

Para o único deputado de oposição ao governo na bancada cearense da Câmara, Raimundo Gomes de Matos (PSDB-CE), o governo deveria ter iniciado os cortes no número de ministérios, enxugando os gastos públicos e "diminuindo gastos como usos de aviões por ministros e cartões corporativos. A Lei Orçamentária tem um artigo que afirma que as emendas parlamentares deveriam ser preservadas, há uma proibição nos cortes destas emendas, mas o termo contingenciamento esconde o corte", afirmou Matos.

Tanto o deputado tucano, como a deputada Gorete Pereira (PR-CE) avaliaram que será difícil a relação do governo Dilma com o Congresso daqui para frente. Dos R$ 50 bilhões cortados, R$ 18 bilhões são de emendas parlamentares individuais e de bancada. "A presidente Dilma precisa aprovar questões importantes no Congresso, como o salário mínimo. Será uma difícil negociação daqui para a frente", avaliou Gorete Pereira. "Não podia haver corte nas emendas parlamentares. Com certeza ela vai ter dificuldades com o Congresso agora", diz Raimundo Gomes de Matos.

Para o Ceará o contingenciamento representa a suspensão no repasse de recursos de aproximadamente R$ 400 milhões. "Entendo que o governo esteja num momento frágil. Digamos que ele está trincado e não quer quebrar, mas temos que avaliar que as emendas parlamentares não representam custos, mas sim investimentos", afirma Gorete Pereira.

Para o coordenador da bancada cearense no Congresso, deputado José Guimarães (PT-CE), "ainda é cedo para se atirarem pedras de qualquer lado". Segundo o deputado, a orientação para a bancada petista é intensificar o diálogo com os demais partidos aliados.

Ministério da Saúde suspende recursos de 24 municípios cearenses entre eles Guaraciaba.

 
O Diário Oficial da União publicou nesta segunda-feira (7) a lista com 280 municípios que serão afetados com a suspensão do repasse de recursos, referentes aos programas Saúde da Família e Saúde Bucal, do Ministério da Saúde.

Somente no Ceará, 24 municípios apresentaram algum tipo de irregularidade identificadas através da Controladoria-Geral da União (CGU).

De acordo com o Ministério da Saúde, esses problemas não se relacionam necessariamente a fraudes, mas a falhas cometidas pelas equipes, como a falta de documentos ou duplicidade de pagamentos.

Municípios cearenses:

Alcântaras
Apuiarés
Aquiraz
Baixio
Boa Viagem
Canindé
Caucaia
Fortaleza
Graça
Guaraciaba do Norte
Horizonte
Iguatu
Independência
Itaitinga
Itapipoca
Jaguaruana
Jardim
Juazeiro do Norte
Maranguape
Miraíma
Mombaça
Nova Russas
Potengi
Solonópole

Fonte: Ipunoticias.net

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Diario Oficial dos Municipios - Guaraciaba do Norte

ESTADO DO CEARÁ
PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARACIABA DO NORTE

GABINETE DO PREFEITO

LEI 971/2011


“AUTORIZA O PODER EXECUTIVO A
CONTRIBUIR MENSALMENTE COM AS
ENTIDADES NACIONAL, ESTADUAL E
REGIONAL DE REPRESENTAÇÃO OFICIAL
DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO
CEARÁ.”
 
O Prefeito Municipal de Guaraciaba do Norte, Estado do Ceará, Exmo. Dr. EGBERTO MARTINS FARIAS, no uso desuas atribuições legais, faço saber que a Câmara Municipal aprovou, e Eu, sanciono e promulgo a seguinte lei:

Art. 1°  - Fica o Poder Executivo autorizado a contribuir mensalmente com a UNDIME – União dos Dirigentes  Municipais de Educação do Ceará e COSSEMS – Conselho das Secretárias e Secretários Municipais de Saúde do Estado do Ceará, entidades nacionais de representação dos municípios do Estado do Ceará.

Art. 2°  - A contribuição visa a assegurar a representação institucional do município de Guaraciaba do Norte, nas esferas administrativas do Estado do Ceará e da União. Através das entidades relacionadas no Art. 1º, junto ao Governo Federal eos diversos Ministérios, Congresso Nacional e demais órgãos normativos de execução e de controle para:

I – integrar colegiados de discussão junto aos diversos órgãos
governamentais e legislativos, defendendo os interesses dos
Municípios;

II –  participar de ações governamentais que visem ao
desenvolvimento dos Municípios, à atualização e capacitação
dos quadros de pessoal dos entes municipais, à mobilização e
instrumentalização da gestão pública;

III – representar os Municípios em eventos oficiais nacionais;

IV – desenvolver ações comuns com vistas ao aperfeiçoamento
e á modernização da gestão pública municipal.

Art. 3° - Para custear o cumprimento das ações referidas no artigo anterior, o município contribuirá financeiramente com as entidades em valores mensais a serem estabelecidos em Assembléia Geral anual das mesmas.

Art. 4° - Ficam ratificados os atos de delegação e contribuição realizados para esta finalidade até a data de publicação da presente lei.

Art. 5º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.

Paço da Prefeitura Municipal de Guaraciaba do Norte,  26 de janeiro de 2011.

EGBERTO MARTINS FARIAS
Prefeito Municipal
Publicado por:
Paulo Cesar Alves Feitoza
Código Identificador:2E9F0FBC





Matéria publicada no DIÁRIO OFICIAL DOS MUNICÍPIOS
DO ESTADO DO CEARÁ no dia 01/02/2011.
A verificação de autenticidade dessa matéria pode ser feita
informando o Código de Identificação no site:
http://www.diariomunicipal.com.br/aprece/

Outros Valores repassados a Prefeitura Municipal de Guaraciaba

Outros valores foram repassados a prefeitura de Guaraciaba:

 Os dados dos convênios aqui relacionados foram extraídos do SIAFI, no dia 18/01/2011. Caso deseje saber o total liberado, consulte o detalhamento do convênio no Portal da Transparência

Os convênios do município de  GUARACIABA DO NORTE/CE que receberam seu último repasse no período de  12/01/2011 a 18/01/2011 estão relacionados abaixo:

------------------------------
--------------------------------------------------
Número Convênio: 664014
Objeto: AQUISICAO DE VEICULO AUTOMOTOR, ZERO QUILOMETRO, COM ESPECIFICACOES PARA TRANSPORTE ESCOLAR, POR MEIO DE APOIO FINANCEIRO, NO .MBITO DO PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA.
Órgão Superior: MINISTERIO DA EDUCACAO
Convenente: MUNICIPIO DE GUARACIABA DO NORTE/PREFEITURA MUNICIPAL
Valor Total: R$933.570,00
Data da Última Liberação: 14/01/2011
Valor da Última Liberação: R$933.570,00
--------------------------------------------------------------------------------

Consulte periodicamente o Portal da Transparência (www.portaldatransparencia.gov.br) para acompanhar outros repasses de recursos federais a seu município.
 
fonte: Portal da Transparencia

MAIS OBRAS PARA GUARACIABA DO NORTE

DE ACORDO COM O PORTAL DA TRANSPARENCIA, A PREFEITURA DE GUARACIABA DO NORTE, RECEBEU VALORES PARA A AMPLIAÇÃO DO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO, ESSES FUNDOS FAZEM PARTE DO PROGRAMA DE ACELARAÇÃO E CRESCIMENTO, O PAC. 

Os dados dos convênios aqui relacionados foram extraídos do SIAFI, no dia 31/01/2011. Caso deseje saber o total liberado, consulte o detalhamento do convênio no Portal da Transparência

Os convênios do município de  GUARACIABA DO NORTE/CE que receberam seu último repasse no período de  25/01/2011 a 31/01/2011 estão relacionados abaixo:

------------------------------
--------------------------------------------------
Número Convênio: 635479
Objeto: SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITARIO NO MUNICIPIO DE GUARACIABA DO NORTE/CE, NO PROGRAMA DE ACELERACAO DO CRESCIMENTO. PAC 2007.
Órgão Superior: MINISTERIO DA SAUDE
Convenente: MUNICIPIO DE GUARACIABA DO NORTE/PREFEITURA MUNICIPAL
Valor Total: R$3.500.000,00
Data da Última Liberação: 27/01/2011
Valor da Última Liberação: R$700.000,00
--------------------------------------------------------------------------------

Consulte periodicamente o Portal da Transparência (www.portaldatransparencia.gov.br) para acompanhar outros repasses de recursos federais a seu município.
 
FONTE: PORTAL DA TRANSPARENCIA