quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Cearenses de Guaraciaba do Norte estão entre os 50 melhores do País

Estudar Astronomia tem feito bem a centenas de milhares de estudantes de todo o País. Depois do número recorde de inscritos na XI Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA), o Ceará também aumentou em quantidade de medalhistas. Somente em Limoeiro serão entregues 169 medalhas, mais que o dobro do ano passado. O município, que este ano ganhou um telescópio da coordenação da olimpíada pelo desempenho em 2007, teve maior número de inscritos do País no concurso deste ano. Líder em participação no País, o Ceará tem 2.668 estudantes medalhistas na OBA 2008, sendo 443 medalhas de ouro, 920 de prata e 1.305 medalhistas de bronze.

Resultados motivam a criação dos Núcleos de Astronomia e Ciências (Nasce) no Interior. Três estudantes de Guaraciaba do Norte, um de Sobral e outro de Fortaleza ficaram entre os 50 melhores de todo o Brasil na prova de Astronáutica.

O professor astrônomo Dermeval Carneiro, vez por outra, sai de Fortaleza em seu carro para o Interior. Na bagagem, livros sobre Astronomia e arquivo de vídeo com imagens da lua e dos planetas do sistema solar. Na mente, uma idéia fixa: despertar o interesse de crianças “de oito a 80 anos” pela Astronomia. Coordenador estadual da OBA, ficou surpreso com a quantidade de participantes nessa olimpíada.

Jornada Espacial

No ano de 2007, Limoeiro do Norte já ultrapassava Fortaleza em número de inscritos. No ano passado, a terceira melhor nota na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica levou a estudante de Russas, Brena do Carmo Cardial, hoje com 15 anos, como única cearense para a IV Jornada Espacial no Centro de Tecnologia da Aeronáutica (CTA) em São José do Campos (RJ). É lá que estão, nesta semana, três cearenses de Guaraciaba do Norte que ficaram entre os 50 com maiores notas em Astronáutica: Andressa de Sousa Silva, da Escola João Eufrázio Filho; Antônia Daiane de Sousa Silva, da Escola Martinslândia; e Antônio Lucas Freitas Paiva, do Colégio Oriento — os representantes de Sobral e Fortaleza não foram.

Uma em cada cinco escolas do Ceará mandou representantes para a OBA, realizada no mês de maio — um aumento de 192% em relação a 2007. Este ano, 2.052 escolas cearenses inscreveram-se na olimpíada. Em todo País, 15.592 escolas se cadastraram. A olimpíada foi dividida entre questões de Astronomia e Astronáutica.

Em escolas públicas e privadas, professores como Fábio Pitombeira e Edgardo Bessa saiam do “universo” dos livros e mandavam a “galera” olhar para o céu. Havia muito mais estímulo entre o telescópio e a Lua do que podiam explicar as fotografias nos livros de Física ou Ciências.

Melhor desempenho

Ao total, os alunos de Limoeiro conquistaram 161 medalhas na Olimpíada, sendo 21 de ouro, 44 de prata e 96 medalhas de bronze. O número nesta edição mostra a evolução do desempenho dos alunos, que em 2007 conquistaram 79 medalhas.

Pelo segundo ano consecutivo, a Escola Raimundo Felipe Santiago, da comunidade de Santa Maria, na Chapada do Apodi, é destaque na olimpíada. Os alunos da escola conquistaram nove de ouro, 11 de prata e 4 de bronze, num total de 24 medalhas.

Para o professor Edgardo Bessa, coordenador de Ciências da Secretaria Municipal de Educação Básica, a participação nas olimpíadas e o número de medalhas se devem ao incentivo da Secretaria, das aulas de Astronomia desenvolvidas há dois anos, ao trabalho de capacitação dos professores e à assessoria do professor Dermeval Carneiro.

Russas, também no Vale do Jaguaribe, não ficou por menos. A Escola Municipal Luis Ferreira Lima de Educação Infantil e Ensino Fundamental, situada no Sítio Melancias, zona rural de Russas, foi destaque na OBA. Somente essa escola obteve 17 medalhas em nível nacional — nove de bronze, seis de prata e duas de ouro. Um desempenho que prova quanto é fundamental os alunos terem apoio para novas áreas de aprendizagem.

Mais informações:
Coordenação Estadual da OBA
Demerval Carneiro
(85)3488.8639

Unifor e Secult firmam convênio


Acordo de cooperação firmado possibilitará a criação dos Institutos de Economia Cultural e de Direitos Culturais

Capacitar pessoas na área de produção, gestão e elaboração de projetos é o principal objetivo do convênio assinado, na manhã de ontem, entre a Fundação Edson Queiroz/Universidade de Fortaleza e a Secretaria da Cultura do Ceará (Secult). A solenidade de assinatura ocorreu no gabinete da Reitoria da Unifor, com as presenças do chanceler Airton Queiroz; do reitor Carlos Alberto Batista; do vice-reitor, Randal Pompeu, do secretário de Cultura do Estado, Auto Filho, além do deputado estadual Artur Bruno.

Com isso, além de fomentar a atividade cultural no Estado, capacitando profissionais para a área, o convênio também possibilita a criação de dois institutos: o de Economia da Cultura e de Direitos Culturais.

O primeiro, destacou o secretário Auto Filho, torna possível o mapeamento de toda a indústria criativa local — quem somos, onde trabalhamos e o quanto movimentamos de recursos. Enquanto que o Instituto de Direitos Culturais abrangerá questões polêmicas como o direito autoral.

“Além disso, vamos criar uma política para transformarmos Fortaleza na Capital da Cultura”, garantiu Auto Filho.

Profissionalização

Com relação à qualificação profissional, serão 14 cursos, de 180 horas/aula, ofertados nos municípios de Fortaleza; Itapipoca; Camocim; Aracati; Tauá; Crateús; Quixadá; Canindé; Limoeiro do Norte; Iguatu; Juazeiro do Norte; Baturité; Guaraciaba do Norte e Sobral.

Qualquer pessoa que tenha concluído o nível Médio poderá se inscrever. Serão turmas de até 50 pessoas que assistirão às aulas durante os fins de semana. As inscrições começarão em janeiro, nas sedes das secretarias municipais de Cultura, Unifor ou Secult.

A previsão da Secretaria da Cultura do Ceará é de que as aulas comecem na segunda quinzena de janeiro de 2009. O certificado de conclusão do curso será entregue pela Universidade que também vai ceder os docentes e o planejamento pedagógico. “A idéia é formar pessoal numa das áreas mais carentes da cultura que é a confecção de projetos viáveis”, diz Auto Filho.

Mais informações:
Av. General Afonso Albuquerque Lima S/N. E-mail: ouvidoria@secult.ce.gov.br

terça-feira, 25 de novembro de 2008

HISTÓRIA EM GUARACIABA DO NORTE

Casa dos Escravos
Localizado no sítio Tamboatá a 1 km da sede de Guaraciaba do Norte, que segundo informações do Sr. Francisco Torres Lemos, pertenceu ao Dr. Floro Bartolomeu, de Juazeiro do Norte. Aliado político do Pe. Cícero e, lá, hoje se encontra uma das casas mais antigas do Município, que pela narrativa de Antonio Bezerra, leva-nos a entender ter pertencido ao Pe. Manoel Pacheco Pimentel. Segundo Bezerra, foi lá (em Tamboatá), que o Pe. Pacheco deu começo ao cultivo de café, cana e de outras plantas, que depois se divulgaram pelo Município; plantas estas trazidas de viagens à Portugal e Rio de Janeiro e caracteriza Tamboatá como a mais bem montada fazenda que na Serra Grande. À época, pertencia ao Coronel João Evangelista da Frota, atualmente ao Sr. Luciana de Sousa Reis, sendo sua última moradora a Sra. “Chiquinha do Seu Marú”.
Hoje o casarão serve de estudos históricos e de visitação para os curiosos da cultura do município. Construído no século XVIII, encontra-se disponível ao público durante todo o dia. No seu interior ainda existem vestígios dos maus tratos feitos aos escravos da época.

O casarão é conhecido como CASA DOS ESCRAVOS, devido os relatos de alguns moradores e vizinhos. Por avistarem negros trabalhando de maneira escrava e sendo mortos e enterrados no mesmo local. Contam que o porão servia de local de tortura e cemitério para os negros que desrespeitavam seus patrões.

Fonte: MAPEAMENTO CULTURAL DE GUARACIABA DO NORTE-CE.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Cidade de Pedras - Potencial turistico


Fica a 28km do Centro da do município, no sítio Descoberta. Esculpidas pela mãe natureza, aproximadamente 5(cinco)metros de altura, localizada no meio de uma colônia de pedras em formatos de cidade, por isto tem o nome Cidade de Pedras.
A cidade de pedras mostra vários formatos de rochas esculpidos pela ação do vento e da chuva, que é constante na Serra Grande.
A foto ao lado é de uma formação rochosa de uma coruja gigante.


Fonte: MAPEAMENTO CULTURAL DE GUARACIABA DO NORTE-CE.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Semáforos em Guaraciaba do Norte

Nos últimos anos, percebemos que o trânsito de nossa cidade teve um relativo crescimento da frota de veículos. Entretanto esse crescimento não está sendo acompanhado pela a infra-estrutura local, no que tange a sinalização. 
Podemos notar que alguns cruzamentos como a Rua Monsenhor Eurico com a Rua Senador Catunda carece de uma sinalização semafórica, pois os motoristas locais não respeitão a preferência, fazendo desse trânsito, um dos mais desorganizados da Região da Ibiapaba.
Acreditamos que se a Prefeitura Municipal deste município intervier de modo a solucionar este problema, iremos vê uma melhoria significativa no trânsito de nosso município.

Turismo em Guaraciaba

                                          Bica do Urubú

Local de acesso fácil para prática de turismo e de aventura, fica a 10 km do centro da cidade. São seis km de estradas carroçal e 4 km de trilha de terreno acidentado. Como um banho nas águas da famosa Cachoeira do Urubu, a prática de Rapel também é praticada por vários esportistas de aventura da região.

Fonte: MAPEAMENTO CULTURAL DE GUARACIABA DO NORTE-CE.



quinta-feira, 30 de outubro de 2008

MUNICÍPIO DE GUARACIABA DO NORTE

                                    Guaraciaba do Norte - CE

Histórico 

Guaraciaba do Norte teve durante sua vida política e administrativa, várias denominações, todas aliádas, ligadas à sua formação. O seu mais antigo nome  de Rua Nova, originou-se da formação da principal via, de casas de beira e bica, que surgiu no promissor arraial do cimo da Serra de Ibiapaba.
Isto mais ou menos nos meados do século XVIII, quando se povoaram as terras férteis que demoravam no alto da Serra da Ibiapada e que se prestavam, admirávelmente, ao cultivo de café e de cana de açúcar.
No decorrer dos anos, o povo reclamou a criação do município, conseguindo a tão desejada
emancipação política a 12 de maio de 1791. Na mesma data e pelo mesmo alvará, a povoação foi
elevada à categoria de Vila com o nome de “Vila Nova El  Rei”, extinta várias vezes e definitivamente restaurada, já com o nome de Campo Grande, aos 9 de janeiro de 1883, e o município com o mesmo topônimo, conforme a lei nº 1.798 de 10 de janeiro de 1879, desmembrando-o definitivamente do município de Ipu.
A freguesia, sob a invocação de Nossa Senhora dos Prazeres, foi criada aos 25 de outubro de 1886 por Dr. Joaquim José Vieira, Bispo do Ceará. 

Gentílico:  guaraciabense